GASOLINA JÁ PODERIA SUBIR ATÉ R$ 0,50 POR LITRO, DIZEM ESPECIALISTAS

Menos de uma semana depois da queda de 3,9% anunciada pela Petrobras para o preço da gasolina nas suas refinarias, em um momento que havia uma defasagem positiva de 6% em relação ao mercado internacional – ou seja, o preço no mercado interno estava mais alto que lá fora -, o cenário mudou. Hoje, o preço praticado no Brasil está inferior ao praticado no Golfo do México. A defasagem negativa é de 10%, segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).

Para o Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), a defasagem da gasolina já ultrapassa os 13%, o que poderia levar a um aumento de R$ 0,50 por litro. Na avaliação da Abicom, o aumento deveria ser de R$ 0,35 por litro nas refinarias para atingir a paridade.

O motivo para o recuo do preço da gasolina, e em menor proporção, do diesel – cuja defasagem negativa está em torno dos 3% – são as perspectivas de um consumo menor de petróleo nos Estados Unidos, após a consultoria Baker Hughes divulgar dados da atividade de plataformas de petróleo nos EUA, informou o Cbie.

Segundo a Baker Hughes, o nível de atividade das unidades norte-americanas é o mais baixo em cerca de seis meses, apontando para uma possível redução da oferta de óleo no país no curto prazo. Contribuindo para a retração do preço do petróleo, a China estabeleceu uma meta de crescimento para este ano, de cerca de 5%, considerada “modesta” por especialistas.

Em entrevista recente, o novo presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou que, depois de formar sua equipe – o que vai ocorrer em uma assembleia de acionistas marcada para 27 de abril -, vai alterar a política de preços da estatal. Até lá, porém, a Petrobras seguirá a política de paridade de importação (PPI) implantada em 2016 pelo governo de Michel Temer.

Em maio, o PPI será reavaliado e os preços da estatal não devem mais perseguir a paridade com os preços internacionais, mas continuarão baseados nas cotações praticadas no mercado externo e terão diferenciações regionais.

Na Acelen, que controla a Refinaria de Mataripe (ex-Rlam), unidade privatizada na Bahia, responsável por 14% do mercado de combustíveis no Brasil, a defasagem da gasolina está negativa em 6%, segundo a Abicom, e do diesel em -4%.

Fonte: Agência Estado-Broadcast+

 

Notícias Recentes

Dúvidas e Informações

Profissionais com vasto conhecimento em gestão empresarial e intermediação financeira.

Disclaimer

Aviso Importante

Política

De Privacidade

COMPROMISSO

Nosso compromisso é praticar gestão e atendimento com transparência, preservar o patrimônio do investidor, adotando o mais alto padrão ético de governança.

SELO ANBIMA

E2M Investimentos © 2023. Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Many Marketing